Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

AND THERE'S NO DRIVER AT THE WHEEL


O Damien Rice é um daqueles artistas cujo nome costuma passar despercebido a muita gente, no entanto tem várias músicas - estrategicamente colocadas em filmes e séries - que se foram tornando familiares para essas mesmas pessoas. Quem não reconhece a música deste trailer, por exemplo?

 

 

 

 

 

Ele lança álbuns ao ritmo que entende ser o necessário e sem pressões, leva o seu tempo sem se precipitar.

No espaço de doze anos lançou três álbuns e entre o segundo - "9" - e o mais recente - "My Favourite Faded Fantasy", de 2014 - passaram oito anos.

 

 

Andei vários anos à espera que viesse a Portugal e finalmente isso aconteceu em 2015, no Primavera Sound do Porto. Nestas coisas às vezes quanto maiores as expectativas, maior a desilusão também. Sem falar que habitualmente os festivais não são o melhor sítio para concertos mais intimistas, principalmente numa era em que se tornou moda ir a estes eventos por todas as razões e mais algumas menos pela música. Felizmente foi muito melhor do que estava a antecipar, justificou todo aquele tempo que esperei para o ver.

 

Ele sozinho enche o palco. Não precisa de um espectáculo elaborado de luz e som, pirotecnia ou coisas rebuscadas, para mostrar ao que vem ou usar isso para disfarçar pouco talento. Com ele é tudo simples e eficaz.

O que mais gosto no Damien Rice é a intensidade e a entrega que não nos deixa indiferentes. Ele e os seus amores, desamores, desesperos, frustrações, pensamentos... Ele mostra-se como é, com toda a vulnerabilidade a que isso obriga. Ele compreende que para soar real tem de ser completamente honesto e é algo que eu admiro bastante; requer uma grande dose de coragem.

 

O clímax do concerto foi já no fim quando tocou a música "It Takes a Lot to Know A Man", do último álbum. Parece um "jogo" com vários instrumentos construindo algo similar ao que se vê no vídeo abaixo (que foi filmado num outro concerto da mesma tour). Vale a pena ver até ao fim para perceberem melhor do que estou a falar.

 

 

 

Não há fome que não dê em fartura e no Verão do ano passado voltou para mais dois concertos, um em Lisboa e outro no Porto. Eu fui ao de Lisboa, no Coliseu dos Recreios, e foi ainda melhor que o concerto de 2015. Desta vez era o público dele, que vinha de propósito para o ver. O concerto também foi mais longo e aquela sala promove uma envolvência especial, diferente de um espaço aberto. 

 

 

Ainda em relação ao álbum mais recente há uma música que se tornou rapidamente uma das minhas preferidas, chamada "The Box". Acho que é uma metáfora perfeita para muito daquilo que nos retrai e impede de sermos completamente quem somos.  

 

 

"This is a conversation with your... the part of you that kills your dreams. Tells you that you're not good enough (...), and keeps you addicted to the stuff that just does not bring any sort of joy at all."

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


6 comentários

Sem imagem de perfil

De JoanaT a 07.02.2017 às 09:36

Vou ouvi-lo hj!! Minha querida consultora musical e cinematográfica ;)
Tens uma sensibilidade única para a música!
Imagem de perfil

De Rita a 07.02.2017 às 14:57

Oh ;) :*

Acho que vais gostar, experimenta ouvir umas quantas músicas dele :)
Imagem de perfil

De Chic'Ana a 07.02.2017 às 11:08

Eu gosto mesmo muito! =)
Discreto, mas gigante.
Beijinhos
Imagem de perfil

De Rita a 07.02.2017 às 14:57

Sim, é mesmo isso :))
Imagem de perfil

De HD a 07.02.2017 às 19:28

Um dos músicos mais completos da atualidade :)
Imagem de perfil

De Rita a 08.02.2017 às 09:21

Gosto muito dele :)

Comentar post



Rita

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.





Pesquisar

  Pesquisar no Blog

blogs Portugal


Apontamentos

Nuno Joana Maggie Inês