Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

AND THERE'S NO DRIVER AT THE WHEEL


02
Out13
É a maneira como ela vive em mim quando estamos dentro do carro e me diz que eu só ouço porcaria, com aquele sorriso que faz troça de mim. Quando são seis horas da manhã e já não é de noite mas também ainda não é de dia e não existe mais ninguém para além de nós. Existe ela, existo eu, dentro de um Corsa, perdidos no meio de nenhures e ela fecha os olhos, canta a minha música. Sorri de novo, desta vez sem qualquer traço de gozo e deixa-se sentir. Deixa-me adorá-la naquele espaço entre nós.  O espaço que vai do meu silêncio até à boca dela que continua a cantar, agora mais baixo, quase a sussurrar. Ela parte-me o coração e nem se dá conta. Olho para ela e é cada vez maior o espaço que ocupa em mim. O sentimento expande-se e eu não vejo outra forma de reagir senão encolher-me para dentro. Deixou de cantar e, com os olhos ainda fechados, toca-me ao de leve no braço e sorri novamente.

Dentro de mim há um amor que se renova sempre que ela está. Sempre que está presente, sempre que está ausente. É um amor que vive por si e em si próprio, que encontrou em mim algo a que se agarrar e me dá vida a cada segundo. Sei que ela não o leva a sério porque é demasiado, é incompreensível. Sei que tenta perceber, quando me põe as mãos na cara e olha para mim sem desviar o olhar, com uma determinação que me diz tudo o que é preciso saber. Quando encosta a testa dela na minha e nunca tira os olhos dos meus. Eu consigo sentir a vida que ela me pulsa quando me toca, quando não tira as mãos da minha cara. Ela transforma algo no mundo de forma indelével e ninguém se dá conta, só eu.

Quero dizer-lhe que sinto em mim todas as emoções quando a tenho. Que elas se apoderam de mim de formas que me ultrapassam, de formas que me assustam, formas que me dão cabo do estômago, do sistema nervoso, de tudo. Ela remexe-me e isso inquieta-me e conforta-me. Isso dá e tira-me vida. Existe tudo no espaço entre mim e ela, não existe nada no espaço entre mim e ela.

Agora volta a cantar mas sem música. Já não está a olhar para mim, está a olhar em frente e o Sol entretanto já nasceu. Ela canta e isso dói-me . Ela existe e está ao meu lado e isso pesa-me. Ela nem se dá conta que agora sim, agora percebo de forma clara e inequívoca a mortalidade. Percebo que tudo à volta é passageiro. Sinto-me sem equilíbrio e ela continua sempre a cantar. Sinto o impulso de pedir que se cale porque ela dói-me em toda a parte e quero que se cale, que cale o que me força a sentir. Sinto-me fora de mim sem ter qualquer forma de o contrariar. Eu estou nela e é o melhor e o pior sentimento. Leva-me onde entender, quer eu queira ou não. Ela está ali mas eu não.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:


4 comentários

Sem imagem de perfil

De Sara a 06.10.2013 às 21:05

Que bonito, Rita!
Sem imagem de perfil

De R. a 07.10.2013 às 08:19

Muito obrigada Sara :)
Sem imagem de perfil

De Nuno Bento a 08.10.2013 às 00:46

Wow! F*da-se, incrível...
O que posso dizer é que eu já vivi uma série destes momentos que aqui descreveste, já tive essa sorte; e que ao lê-los desta forma tão intensa, tão exponencial, sinto que a minha vida foi, afinal, melhor do que eu às vezes a tomo.
Apercebi-me também que quem quer que tenha sido o alter-ego que escreveu este texto, vive e sente ao meu ritmo (intenso e exponencial) e que não deve ser nada fácil lidar com alguém assim.
Parabéns, adorei.
Sem imagem de perfil

De R. a 08.10.2013 às 20:51

:)) mto obrigada!

É bem verdade o que dizes, muitas vezes nem nos damos conta de certas experiências que a vida já nos deu e o quanto isso nos fez felizes...

(Sobre a possibilidade de um alter-ego: "He IS the one who writes!" Possivelmente tem alguma biblioteca secreta onde escreve best-sellers com 99% de qualidade :P )

Comentar post



Rita

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.





Pesquisar

  Pesquisar no Blog

blogs Portugal


Apontamentos

Nuno Joana Maggie Inês