Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

AND THERE'S NO DRIVER AT THE WHEEL

O que torna o acto de viajar um dos maiores prazeres da vida?

 

 

viajar.jpg

 aqui

 

 

 

Ver e conhecer outras realidades será a resposta mais óbvia, mas para além disso é mesmo a possibilidade de vestirmos uma versão mais excitante, mais aventureira, mais viva de nós mesmos, diferente daquela a que estamos habituados. 

Durante aquele espaço de tempo a vida tem mais significado, é menos rotineira e cinzenta, queremos aproveitar cada minuto e guardá-lo connosco. 

 

O conhecimento que temos sobre o mundo expande-se, ganha novos contornos. Descobrimos sons, cores, cheiros, sensações que até ali desconhecíamos. Não estamos a ler ou a ver imagens sobre o mundo, estamos a conhecê-lo em primeira mão. Conhecemos pessoas com costumes e línguas diferentes - consoante o nosso destino - que nos podem ensinar algo novo, mesmo que nem o façam deliberadamente.

 

Das viagens que já fiz, e gostava que fossem bem mais, há duas que se destacam: Nova Iorque e Itália. A primeira era um sonho que tinha desde miúda, um lugar que pertencia ao meu imaginário e com o qual sentia uma afinidade difícil de explicar. A segunda foi algo mais espontâneo, uma oportunidade que surgiu uns meses antes e que se concretizou de forma mais rápida e simples.

Agora que terminei o relato das férias em Itália só faltam uns apontamentos finais.

 

O facto de termos feito a viagem de carro permitiu-nos apreciar várias paisagens. Sempre que evitámos a auto-estrada vimos coisas inesperadas nas cidades e localidades mais pequenas. A nossa viagem cobriu cidades, campo, mar e lago. Itália é um país lindíssimo que oferece uma multiplicidade de cenários para todos os gostos.   

 

Cruzámo-nos com muitos mas mesmo muitos turistas em praticamente todos os sítios onde estivemos. Tirando Bolsena e as terras que conhecemos nessa zona, em todos as outras cidades deu para ter uma percepção clara do peso do turismo.

Fomos bem tratados em todo o lado, mas precisamente porque é um país que recebe tanta gente senti muitas vezes que a simpatia não era sempre a mais genuína ou autêntica, que havia ali uma dessensibilização porque chega uma altura em somos "mais um" turista numa imensidão deles. Os sorrisos não eram propriamente falsos, mas havia algo de fabricado em muitos deles. Mais uma vez Bolsena foi a excepção, as pessoas que nos hospedaram não podiam ter sido mais acolhedoras.

 

Sem sombra de dúvida que os turistas que vimos em maior número foram os norte americanos e os asiáticos. Quanto aos primeiros já imaginava que assim fosse, mas em relação aos segundos fiquei surpreendida, não fazia ideia que Itália era um destino tão popular na Ásia.  

 

Outra coisa que reparámos é que quanto mais para sul nos dirigíamos, mais se notava a fuga a certas regras legais. Por exemplo, no início da viagem, em Verona e Porto Venere, nem sequer era preciso pedir factura ou recibo de produtos ou serviços, eram dados naturalmente. A partir de Florença isso já não acontecia, o normal agora era evitarem dar comprovativos. Segundo um amigo meu que actualmente vive em Itália, abaixo de Roma isso é ainda mais notório. 

 

Os peões em Itália, principalmente nas grandes cidades, estão no fundo da cadeia alimentar. É preciso ter muito cuidado nas passadeiras. A maior parte das vezes somos ignorados e os carros avançam mesmo que já estejamos a atravessar. Sem falar que os sinais luminosos não ajudam porque o facto da cor mudar para verde para os peões ao mesmo tempo que muda para verde para os carros que viram à direita torna tudo ainda mais confuso.

 

Vimos muitas referências a Garibaldi em todos os lugares onde estivemos: seja nomes de ruas, monumentos, praças... É uma figura histórica muito relevante em Itália, considerado um dos "pais da pátria", daí a reverência. 

 

Apesar de duas semanas não ser tempo suficiente para conhecer profundamente a cultura de um país sinto que durante esses dias fiz por absorver tudo à minha volta. Os meus olhos prolongaram-se mais tempo que o habitual no que estava a ver, os meus ouvidos tentaram captar todos os sons, tentaram compreender ao máximo tudo o que ouvia em italiano, comi e saboreei o que me apeteceu sem grandes preocupações. Vivi aqueles dias até ao tutano e tudo o que eles tinham para me dar. 

 

 

 

 

Viagem a Itália: Verona, parte I

Viagem a Itália: Verona, parte II

Viagem a Itália: Porto Venere

Viagem a Itália: Cinque Terre

Viagem a Itália: Florença, parte I

Viagem a Itália: Florença, parte II

Viagem a Itália: Florença, parte III

Viagem a Itália: Siena

Viagem a Itália: Bolsena

Viagem a Itália: Roma, parte I

Viagem a Itália: Roma, parte II

 

 

 

Fica ainda aqui um agradecimento à equipa do Sapo pelo destaque.

Autoria e outros dados (tags, etc)

24
Jan17

No monte Capitolino, junto à Basilica di Santa Maria in Aracoeli, vamos ainda encontrar a Piazza del Campidoglio. As escadas que dão acesso a esta praça têm um formato diferente do habitual, são designadas cordonata. 

Foi Michelangelo quem projectou tanto as escadas, quanto a praça e a remodelação dos três palácios que a rodeiam. A ideia era criar uma dinâmica entre o padrão que vemos no chão e os elementos à volta. 

 

A Câmara Municipal de Roma funciona no palácio central, o Palazzo Senatorio. No dia em que aqui estivémos havia uma pequena manifestação que, se não estou em erro, estava relacionada com a função pública. 

 

 

57cff5424eda36dea5bf6e5da5113a4e.jpg

 daqui

 

 

 

Roma tem cerca de 2000 fontes, mais que qualquer outra cidade no mundo. A que eu tinha mais curiosidade em conhecer, a de Trevi, infelizmente estava em obras mas mesmo assim deu para ver a fachada que é impressionante. 

Ao contrário daquilo que imaginava, que estaria numa praça a condizer com a sua imponência, ela encontra-se numa pequena praça onde convergem três ruas. Quando damos por nós aparece-nos à frente de surpresa.

Diariamente milhares de pessoas atiram moedas para dentro desta fonte com a esperança que isso signifique um regresso a Roma. A ser verdade, lá perdemos nós a possibilidade de voltar.

 

 

P1050348

 Fontana di Trevi

 

 

 

A Piazza di Spagna com a sua escadaria é outra praça afamada da cidade. A Igreja da Santissima Trinità dei Monti fica no topo das escadas e como se vê pela foto, também estava em remodelações na altura.

No centro da praça existe a Fontana della Barcaccia, uma fonte bem mais modesta que a de Trevi, mas bonita na sua simplicidade.

Tanto de dia quanto de noite este é um lugar que atrai muitas pessoas que gostam de se sentar nos degraus.

 

 

Foi nesta praça que Roma nos presenteou com outra história para mais tarde recordar. Um homem com várias rosas aproximou-se de nós e como já se estava a ver que nos queria vender alguma, recusámos. Ele pôs então uma das flores na minha mão, disse que eu era bella (não com a carga de piropo mas de um simples elogio) e afastou-se um pouco. Uma pessoa já toda convencida, a pensar que é a maior da rua dela, que o vendedor nem conseguiu resistir a perder uma das rosas e eis senão quando ele volta a aproximar-se para pedir dinheiro. Resultado: devolvemos a rosa e ele atacou a turista seguinte mesmo ali ao lado.

Claramente aquele homem não se deu conta que este não é o melhor método para ganhar uns trocos. 

 

 

P1050357

P1050358

P1050356

 Fontana della Barcaccia

 

 

P1050353

La Colonna della Immacolata perto da Piazza di Spagna

 

P1050354

 

 

 

A Piazza Navona é uma praça construída onde outrora existiu um estádio romano. Aqui podemos ver a Igreja Sant'Agnese in Agone e três fontes: Fontana dei Quattro Fiumi, Fontana del Moro e Fontana del Nettuno.

 

É uma praça cheia de vida, com restaurantes e cafés à volta. Também é um sítio onde os pintores e caricaturistas, entre outros artistas, gostam de vender as suas obras. 

 

 

P1050371

 

P1050372

 

P1050370

Fontana dei Quattro Fiumi

 

 

P1050365

Fontana del Moro

 

 

P1050366

P1050378

Fontana del Nettuno 

 

 

 

O Panteão (Pantheon) fica a duas ou três ruas de distância da Piazza Navona. Originalmente era um templo romano em honra de todos os deuses e foi convertido largos anos mais tarde numa igreja, a Igreja de Santa Maria dei Martiri. Foi precisamente o facto de ter sido sempre utilizado, primeiro como templo e depois como igreja, que permitiu que chegasse aos nossos dias em tão bom estado. 

A enorme cúpula tem uma abertura no centro, o oculus, que permite a entrada de luz. Ao longo do dia essa luz vai-se movimentando no interior da igreja. Nos dias de chuva a água é drenada através de uns pequenos buracos que existem no chão, directamente por baixo da abertura. 

 

Este foi um dos pontos altos em Roma para mim. A entrada do Panteão espelha na perfeição o mundo da Roma antiga e a cúpula vista de dentro traz-me à memória os tempos de criança em que ia com a escola ao Planetário e me maravilhava com as viagens ao espaço que fazia sentada numa cadeira a olhar para o céu.

 

 

P1050380

 

P1050382

P1050384

P1050387

 

 

 

A melhor maneira de conhecer Roma é mesmo a pé. Tendo em conta a dimensão da cidade é cansativo, mas vale a pena porque há sempre muita coisa para ver. 

O Tibre banha a cidade e existe uma pequena ilha neste rio, a Isola Tiberina. Nesta ilha há uma Basílica, a di San Bartolomeo all'Isola, um restaurante e um hospital que ainda está em funcionamento. No Verão é também aqui que tem lugar um festival de cinema. É engraçado como uma ilha destas dimensões alberga tudo isto.  

 

 

TiberIsland.jpg

 daqui

 

P1050393

 

P1050398

 

P1050395

 

 

 

A primeira vez que avistámos o Vaticano nem tínhamos reparado, no mapa, que estava ali tão perto. Estávamos a passear ao longo do rio, perto do Castelo Sant'Angelo, olhámos para o fundo da avenida e a imagem daquele edifício era tão familiar que só podia ser a Basílica de S. Pedro, a escassos 800 metros de onde nos encontrávamos. Curiosamente nesta zona, a certa altura, começámos a ouvir muitas pessoas a falarem em português. Reparámos depois que se tratava de alguma excursão.

 

 

IMG_20150924_160655039

 Castel Sant'Angelo

 

 

 

 

A visita em si, ao Vaticano, fizémos no dia seguinte. Se a oferta de tours guiadas em Roma já é elevada nas paragens habituais dos turistas, chegados ao território do Vaticano é algo ainda mais visível. De dez em dez minutos tínhamos alguém a perguntar-nos se queríamos integrar uma. Nós declinávamos educadamente e passado um bocado lá vinha outro.

 

A Basílica, que é considerada o expoente máximo da arquitectura renascentista, é absolutamente gigantesca. Vista de fora, quando olhamos para a fachada, dá para ver que é grande, mas quando entramos e andamos lá dentro é que temos a verdadeira noção da sua magnitude, parece que diminuimos de tamanho ali. Nunca tinha estado num espaço religioso da dimensão deste. 

A visita é gratuita, mas a fila normalmente é longa. Mesmo assim não esperámos muito tempo porque andava relativamente rápido, o único problema foi o calor. 

 

 

P1050403

P1050412

P1050427

P1050409

P1050417

 

 

 

 

O que mais gostei em Roma foi a sensação de ter o passado ali tão perto, quase colado ao presente. Não é só uma questão dos vestígios que se podem ver, deixados por quem veio antes, mas a maneira como eles fazem parte da vida e da identidade desta cidade. Não admira que seja conhecida como "a cidade eterna".

Observei diversas vezes com atenção o movimento das pessoas na sua rotina diária e às tantas conseguia visualizar todos os que ali não estavam porque desapareceram há séculos, também eles na sua rotina. Estávamos todos a dividir o mesmo espaço, mas separados por tempos diferentes. Eu sei que isto acontece em todo o lado, não é só ali, mas em Roma é quase palpável.

 

Roma deu-nos praças amplas exuberantes, ruas estreitas mais contidas, passeios à beira rio, confusão e reboliço, fontes que mais parecem obras de arte, igrejas, basílicas, as letras S.P.Q.R. em todo o lado (iniciais do termo em latim para o Senado e o povo romano), vendedores ambulantes, motoristas loucos. 

Na nossa ementa constaram spaghetti, pizza, até Burguer King desta vez. Os gelados da despedida foram de frutos do bosque e menta com pedaços de chocolate, frutos do bosque e café, coco, amarena crema, straciatella e chocolate After Eight, tiramisù e crema fiorentina. 

 

 

P1050439

P1050443

P1050450

 

 

No balanço geral desta última paragem posso dizer que gostei bastante da cidade e gostaria de voltar para conhecer tudo o que ainda não vi. No entanto estaria a mentir se dissesse que me arrebatou por completo, que foi um dos lugares onde mais gostei de estar. Acho que tem muito a ver com a percepção que cada um tem dos lugares, dos sentimentos que despertam (ou não) em nós, da nossa personalidade que se sente mais conectada a uns que a outros. Vi coisas incríveis em Roma e percebi por que razão tanta gente adora esta cidade, mas para mim a parte mais apaixonante da viagem já tinha passado.

 

 

 

O relato destas férias chegou ao fim, mas ainda hei-de fazer um post final em jeito de conclusão sobre a viagem no seu todo. 

 

 

 

Viagem a Itália: Verona, parte I

Viagem a Itália: Verona, parte II

Viagem a Itália: Porto Venere

Viagem a Itália: Cinque Terre

Viagem a Itália: Florença, parte I

Viagem a Itália: Florença, parte II

Viagem a Itália: Florença, parte III

Viagem a Itália: Siena

Viagem a Itália: Bolsena

Viagem a Itália: Roma, parte I

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Rita

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.





Pesquisar

  Pesquisar no Blog

blogs Portugal


Apontamentos

Nuno Joana Maggie Inês