Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

AND THERE'S NO DRIVER AT THE WHEEL

09
Out13

Sim, vai ser mais um post sobre os Tool. Desta vez sobre duas músicas do álbum "Lateralus" - "Parabol" e "Parabola" - que, apesar de serem duas músicas independentes, será mais simples tratá-las como uma só neste post até porque estão intimamente ligadas. O videoclip engloba ambas.


 
Swirling round with this familiar parable.
Spinning, weaving round each new experience.
Recognize this as a holy gift and celebrate this 
Chance to be alive and breathing

 

 

 

This body holding me reminds me of my own mortality. 

 

Embrace this moment. Remember, we are eternal
 
All this pain is an illusion.
  
 
 


Nas palavras acertadas de um amigo meu: se o "Ænima" é um álbum que vive muito da dimensão humana, o "Lateralus" vive na mesma medida de uma dimensão mais transcendente. 
Não é um álbum conceptual mas nota-se que a metafísica e a espiritualidade estão presentes em muitos dos temas.

É interessante perceber o contraste entre a "Parabol(a)" e a "Stinkfist" do álbum "Ænima". Enquanto que a "Stinkfist" é uma música sobre falta de percepção de si próprio, sobre estar dormente, desconectado, a "Parabol(a)" é uma música sobre o que é estar realmente vivo, sobre a consciência da nossa existência, sobre o lugar que ocupamos no mundo, sobre a ligação a nós mesmos e aos outros, a ausência de dor no "grande esquema de todas as coisas". Trata-se de uma dimensão completamente nova e oposta, em absoluto, à que existe na "Stinkfist". 

O meu álbum preferido dos Tool é o "Ænima" mas é uma decisão muito difícil e até complicada de fundamentar porque o "Lateralus" também é um excelente álbum, um que tem grande significado para mim. Possivelmente até é melhor que o anterior mas julgo que esta preferência está relacionada com a minha personalidade, maneira de ver as coisas e de estar na vida. Desde que comecei a gostar de Tool que me debato mais com as questões abordadas no "Ænima" e estas têm-me acompanhado nos últimos cinco anos. Muito provavelmente daqui a alguns anos vou-me identificar mais com o "Lateralus" porque os temas que versa são mais complexos, exigem mais anos de vida. 

Uma das fontes de inspiração para os Tool são os ensinamentos do Budismo. Há uma lista de livros de leitura recomendada que consta numa newsletter da banda  para quem estiver interessado em perceber bem os assuntos versados em muitas das letras. Um dos livros é "What The Buddha Taught" de Walpola Rahula, um monge budista que foi também professor universitário e tem vários livros publicados sobre o Budismo. Este livro é considerado um dos melhores sobre o assunto e talvez o melhor para quem se quer iniciar nesta filosofia/religião.
O Budismo interessa-me bastante intelectualmente mas não como religião à qual sinta que tenha de me converter. Tenho este livro (apesar de ainda não o ter terminado) e em vários aspectos identifico-me com certos pontos de vista enquanto filosofia de vida. Tentando ilustrar um pouco isso:


Man's position according to Buddhism, is supreme. Man is his own master, and there is no higher being or power that sits in judgment over his destiny.
"One is one's own refuge, who else could be the refuge?" said the Buddha (...). 
He taught, encouraged and stimulated each person to develop himself and to work out his own emancipation, for man has the power to liberate himself from all bondage through his own personal effort and intelligence. (...)
The freedom of thought allowed by the Buddha is unheard of elsewhere in the history of religions. The freedom is necessary because, according to the Buddha, man's emancipation depends on his own realization of the Truth, and not on the benevolent grace of god or any external power as a reward for his obedient good behaviour. (...)
Doubt is one of the five Hindrances to the clear understanding of Truth and to spiritual progress (or for that matter to any progress). Doubt, however, is not a "sin" because there are no articles of faith in Buddhism. In fact, there is no sin in Buddhism, as sin understood in some religions. The root of all evil is ignorance and false views. (...) 
To get rid of doubt one has to see clearly. (...) 
Just to say "I believe" or "I do not doubt" will certainly not solve the problem. To force oneself to believe and to accept a thing without understanding is political and not spiritual or intellectual. (...)
The spirit of tolerance and understanding has been from the beginning one of the most cherished ideals of Buddhist culture and civilization. (...)
However you put it, faith or belief as understood by most religions has little to do with Buddhism. (...) 
It is always seeing through knowledge or wisdom and not believing through faith. (...)



Em 2001 um professor de Filosofia, Christopher diCarlo, fez uma entrevista ao Maynard J. Keenan (que em muitos aspectos foi também uma conversa entre duas pessoas com opiniões similares sobre vários assuntos) e é uma entrevista bastante interessante porque as perguntas que foram feitas são muito pertinentes e diferentes das habituais. Aqui estão algumas partes que julgo serem úteis para perceber melhor a banda (o sublinhado é meu): 


So Maynard is not about to preach any definitive methodology for interpreting their lyrics but, for those who do understand that the lyrics have meanings at one intended level which can be interpreted by various people in various ways to relate those to personal self-reflection, those are commonalities which he does encourage.
The members of Tool generally shun human pretense and arrogance. This is stated explicitly in some of their lyrics, and it is one of the reasons I had a feeling Maynard would want to discuss these ideas with someone like me whom he has never met nor knows.

(...)

Maynard said: "Information, itself, is pure. Take a knife, for example. You can use it to cut up vegetables, meat, butter your bread, etc. Or you can use it as a weapon. The way in which information exists in its many forms leaves for us the decision as to how it is we wish to use it. Information itself has a certain purity. Humans have intentionality. It's humans who decide how it is 
they wish to behave. Information and technology are pure" [or what I referred to as amoral- that is, morality- the rightness/wrongness of actions - cannot take place until humans decide how they wish to use them].

(...)


I have on my office door the lyrics to "Stinkfist" because I have viewed this as a very telling statement in reference to what I have called the "Age of Immediacy". That is, we want input/information/pleasure, etc., quicker, bigger, better. We grow bored quickly and need more now. And so the metaphor of a gradual increase of larger sized objects shoved up a particular human cavity is quite appropriate to express our desensitization.
 
(...)
 
At this point, I mentioned my Critical Thinking text: How to Become a Really Good Pain in the Ass: A Practical Guide to Thinking Critically. He appreciated the title and we talked further on the topic of critical self-reflection which is lacking in the world today. We agreed that this can lead to a behaviour mode of Us against Them through an incapacity of self-discovery and self-reflection.
 
(...)
 
 

In "Parabola" you speak about the body as a type of vessel. And you state that we need to hold on to and stay inside this holy reality. In contrast to your attacks on Christianity, how should we interpret the use of the term 'holy', here?

MK: "Life is to be revered. Few people take the time to realize how valuable their experiences are at any given time in their lives because we can be snuffed out in the next minute".

Although some may take this to be a paraphrase of the 'Stop and smell the flowers' bit of flaky advice from the sixties, the central message is a good one because it demands of us the discipline by which to forcibly become self-aware of what is meaningful and essential to life. We do take things for granted, without doubt. Most of the time, we are caught up in the superficial trappings of cultural inventions. But to be alive, and to know it, is one of the first great cognitive evolutionary steps in the development of human consciousness.

MK: "Life should be revered simply for the fact that we need to be thankful that we are currently able to consciously appreciate what we are going through right now. There are layers to our lives which can be appreciated at various levels. This moment that we're having right now is highly significant."

At this point I mention Albert Schweitzer's book Reverence for Life where he mentions that some things are necessary in life. There are constraints on life and we have to function within those constraints. I referred to the lyrics in 'Disgustipated' where Maynard mentions that 'Life feeds on life'. This is an obvious biological truism which creates an environment of constraints in 
which we must live.

From this, I state that the feeling of eternity and reference to pain as an illusion in 'Parabola' is interesting. Is this tongue-in-cheek or is the meaning here literal?

MK: "Having a background in science, anyone will tell you that everything pretty much is light. Form and frequency, quantum physics and the fact that humans are made up of bits of matter (light), at this level, particles neither come into nor go out of existence, and at that level we are eternal. And although pain operates at one level, there is no pain at the underlying level of matter. People operate at different levels. Does that make any sense? These are huge, lofty spiritual concepts. Keith Richards is still walking around, doesn't that prove something?"

Laughing, at this point, I said that I was an evolutionist and I really think Keith Richards is de-volving back into a reptilian form. The man is becoming a lizard. Maynard laughs.

(...)

The members of Tool, I was told, rarely take themselves seriously in terms of beliefs. They acknowledge a complex world and are having fun looking at the various ways in which we can understand it.

MK: "I have very much enjoyed the last ten years of my life and how much people enjoy what Tool is doing. If people can take something positive from Tool's music and use this for self-reflection and discovery, great. But I'm not going to preach to people about what they ought to do".







É muito significativo o que é dito sobre a importância de termos consciência de tudo o que nos acontece, de estarmos acordados e o quão vital é viver e não simplesmente sobreviver. 
Definitivamente não estamos nesta vida para vermos os dias passarem, completamente alheados da realidade à nossa volta, ao sabor das circunstâncias. 
Nas palavras dos Beatles: Living is easy with eyes closed, misunderstanding all you see.





 





It's just a ride.    

Autoria e outros dados (tags, etc)

13
Jan13

A "Forty Six & 2" é mais uma música do álbum "Ænima". Álbum esse sobre evolução e mudança (como já tinha referido a propósito da "Stinkfist"). Mas tratando-se dos Tool, há um mundo por trás desses conceitos...

O título baseia-se em teorias bastante complexas de Drunvalo Melchizedek e Bob Frissell sobre o número de cromossomas existentes no ser humano. De acordo com uma entrevista feita ao primeiro:

There are three totally different kinds of humans on the Earth, meaning that they perceive the One reality in three different ways, interpreted differently. The first kind of human has a chromosome composition of 42+2. They comprise a unity consciousness that does not see anything outside themselves as being separate from themselves. To them, there is only one energy - one life, one beingness that moves everywhere. Anything happening anywhere is within them, as well. They are like cells in the body. They are all connected to a single consciousness that moves through all of them. These are the aboriginals in Australia. There might be a few African tribes left like this. Then, there is our level, comprising 44+2 chromosomes. We are a disharmonic level of consciousness that is used as a steppingstone from the 42+2 level to the next level, 46+2...These two additional chromosomes change everything.

Na minha forma de ver, não é para ser levado à letra. Prefiro abstrair-me da parte metafísica da teoria porque me causa sérias dúvidas. 
Quanto à parte científica, ao que parece também é criticada tendo em conta que o incremento de material genético não significa necessariamente um organismo mais avançado. Inclusive há animais irracionais com mais cromossomas que os humanos por exemplo.
Então qual é o simbolismo de 46+2 na música? Julgo que o único propósito será o de ilustrar a ideia de progressão e, nesse sentido, funciona muito bem.

Existe depois uma outra ideia (e esta sim fascina-me bastante) que pega 
num dos arquétipos de Carl Jung: a Sombra. 
Em termos simples (precisamente porque não tenho conhecimentos académicos sobre o assunto, só o que li em vários sites sobre o autor e sobre Psicologia), a Sombra representa tudo o que receamos e desprezamos em nós, inconscientemente. Fraquezas, falhas, defeitos. Jung dizia que quanto mais em negação se estiver, mais densa e negra essa Sombra será. 
A ideia que a sociedade nos passa que há certos sentimentos/atitudes demasiado negativos para existirem em nós, leva a essa repressão. O seu reconhecimento a um nível plenamente consciente é deveras difícil porque somos ensinados desde crianças que não é aceitável. 

Escolher mergulhar na nossa própria negatividade e enfrentar os nossos maiores medos sobre quem somos ou ignorar essa parte porque é demasiado?

Todos temos escuridão em nós, não vale a pena questionar isso. Por melhores pessoas que queiramos ser, por mais tolerantes e abertos, há partes de nós difíceis de lidar. E não estou a falar de defeitos que reconhecemos com maior ou menor dificuldade, estou a falar de algo muito mais profundo. Reacções emocionais muito fortes a certas coisas ou pessoas, reacções viscerais e impulsivas. Reflexos do inconsciente por oposição a comportamentos intencionais. 

O resultado de tudo isto é a forma como depois passamos esse tipo de atitudes para o mundo. Como reagimos em relação a certas situações... O mais interessante é que Jung defendia que essas tais reacções emocionais partem precisamente da nossa falha em reconhecer defeitos em nós mesmos. No fundo, reagimos a coisas que reflectem o que já existe em nós e fazemos isso de forma inconsciente. Não é fácil digerir isto porque estamos no fundo a criticar nos outros algo nosso também... Fazemos coisas nas nossas próprias costas:



De que serve então rejeitar a Sombra? Ela faz parte da nossa identidade, a única saída será reconhecê-la de forma consciente. Aceitar que faz parte de nós enquanto pessoas. Segundo Jung, dessa forma já não há a projecção da nossa Sombra nas coisas que nos rodeiam e mais importante, nas outras pessoas.

Obviamente que será um processo muito complicado e em toda esta ideia tenho dificuldade em perceber, concretamente, de que forma é que algo tão enterrado no subconsciente pode vir à superfície e como aceitar absolutamente tudo o que somos. 
Honestamente, é assustador pensar em todas as implicações que traz mas ao mesmo tempo também é libertador imaginar que é possível viver com isso de uma forma consciente e consequentemente mais plena. 

É precisamente disso tudo que fala a "Forty Six & 2". 

 

 

 


Mesmo quem não concorde de todo com esta teoria de Carl Jung ou tenha dificuldade em percebê-la, consegue ficar com a ideia principal da música: tudo o que sirva para nos fazer evoluir, tudo o que nos faça sentir que existe essa possibilidade, é tudo válido. O que interessa é fazê-lo. Somos todos tábuas rasas quando nascemos, cabe-nos ir enchendo e preenchendo essa tábua ao longo da vida, o melhor que conseguirmos.  


E o baixo desta música é qualquer coisa de fenomenal!...


Autoria e outros dados (tags, etc)


Rita

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.





Pesquisar

  Pesquisar no Blog

blogs Portugal


Apontamentos

Nuno Joana Maggie Inês