Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

THE CAR IS ON FIRE

AND THERE'S NO DRIVER AT THE WHEEL

17
Jan19

O inventor, o lago e as plantas

Rita

O que acontece quando um homem, para lá dos sessenta e sem formação científica, se isola  praticamente de tudo, durante quinze anos, obcecado com a ideia de parar o aquecimento global? 

 

Provavelmente nada digno de nota - a menos que esse homem seja alguém como Marshall Medoff.

 

 

medoff-at-walden-pond.jpg

 

 

Inspirado pelos seus passeios no Lago Walden, quando não estava absorvido nas suas pesquisas, Medoff chegou à ideia da extracção eficaz das moléculas de açúcar das plantas usando máquinas aceleradoras de electrões.

 

Aquele açúcar é extremamente difícil de extrair de forma barata e limpa já que está dentro da celulose - a principal massa estrutural das plantas. Uma vez obtido pode depois ser convertido em biocombustível. Trata-se do material biológico mais abundante no planeta, o desafio era precisamente chegar até ele.

 

Os cientistas que trabalham agora para Medoff, após vários investidores de nome terem apostado na sua invenção, conseguiram ainda descobrir um produto baseado nesse açúcar que poderá ajudar a combater o problema cada vez mais preocupante do plástico. Esse produto, o bio-plástico, pode ser programado para se desintegrar em semanas ou anos, ao contrário do que acontece com o plástico que todos conhecemos.

 

As consequências desta descoberta não se reflectem somente no ambiente, também terão impacto na área da saúde pois um dos açúcares - xylose - pode ajudar a reduzir a obesidade e a diabetes.

 

O Lago Walden é famoso por ter sido o lugar onde Thoreau se afastou do mundo para se focar na sua vida e na sua escrita; é no mínimo curioso que cerca de século e meio depois tenha inspirado outro homem na sua missão de mudar o mundo.

 

 

 

 

Podem ver a reportagem toda no link abaixo:

https://www.cbsnews.com/news/marshall-medoff-the-unlikely-eccentric-inventor-turning-inedible-plant-life-into-fuel-60-minutes/

11
Jan19

The Center Will Not Hold

Rita

No Verão passado, depois de reler O ano do pensamento mágico, descobri um documentário de 2017 sobre a escritora: Joan Didion: The Center Will Not Hold.

 

 

 

 

O documentário foca-se na vida e na escrita da Joan Didion e foi realizado pelo sobrinho da mesma, Griffin Dunne. A familiaridade entre ambos enriquece o filme em vários momentos e oferece um ângulo diferente do habitual.

 

A mulher que surge no ecrã já tem uma idade avançada - está na casa dos 80 - e tem uma aparência frágil e delicada, mas é notável a clareza e lucidez com que fala das suas memórias, da sua vida e do seu trabalho. 

 

O que é mais impressionante na sua obra é o dom que tem de observar e analisar com verdadeira atenção a realidade à sua volta, perceber o que significa e as suas implicações - até em termos futuros. Ela parece conseguir ver mais além. Esse exercício, que tem feito ao longo de várias décadas, tem sido central no que escreve e na maneira como vive. 

 

É um documentário interessante, mesmo para quem não está familiarizado com a sua escrita. Ainda só li dois dos seus livros e fiquei com bastante vontade de ler mais quando o vi.