Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

THE CAR IS ON FIRE

AND THERE'S NO DRIVER AT THE WHEEL

07
Set18

O regresso à cidade eterna e as vistas panorâmicas

Rita

A fundação de Roma está ligada a sete colinas, ou montes. Nesta viagem estive em três que oferecem perspectivas diferentes, mas igualmente espectaculares, da cidade: Gianicolo, Pincio e Aventino. Destes três somente o Aventino é um dos que está na origem de Roma. 

 

O Gianicolo fica na zona de Trastevere e foi ali que aconteceu em 1849 uma batalha liderada pelo general Giuseppe Garibaldi contra as tropas francesas que atacaram Roma. 

 

É um local que atrai principalmente os locais, não está repleto de turistas e dá para visitar tranquilamente.

Na tarde em que fomos, apesar do tempo quente, mal se via o Sol e as nuvens estavam bem carregadas. A chuva eventualmente começou a cair mas felizmente foram só algumas pingas, a maior chuvada ainda estava guardada para outro dia.

 

Na subida passámos pela Fontana dell'Acqua Paola, uma fonte construída no século XVII para celebrar a reabertura de um antigo aqueduto romano, e pelo Mausoleo Ossario Gianicolense, um monumento construído em honra dos italianos que morreram entre 1848 e 1870 lutando pela defesa de Roma. 

 

 

P1060893

 

P1060885

P1060887

 

 

 

No ponto mais alto deste monte existe uma estátua equestre de Garibaldi, uma das maiores figuras italianas do movimento de libertação e unificação de Itália. Surge mais uma vez - à semelhança do que se vê no Mausoleo Ossario Gianicolense - o lema Roma o Morte ("Roma ou morte") num dos lados da base da estátua e que foi usado na expedição de Aspromonte em 1862 quando houve a tentativa de libertar Roma do domínio papal apoiado pelos franceses. Na altura esse objectivo falhou e só veio a acontecer em 1870, cumprindo-se assim o sonho de Garibaldi de uma Itália unida com a capital em Roma.

 

Existem igualmente no Gianicolo alguns bustos de outras figuras históricas.

 

P_20180623_144619_vHDR_On

 

P_20180623_151905_vHDR_On

P_20180623_144520_vHDR_On

P_20180623_142347_vHDR_On

P_20180623_150158_vHDR_On

P_20180623_151623_vHDR_On

 

 

Nos momentos iniciais do filme "La Grande Bellezza" podem ver alguns pormenores do Gianicolo. É um filme que vale a pena ver e que tem imagens lindíssimas de Roma: 

 

 

 

 

  

  

O monte Aventino não fica muito longe de Trastevere, basta atravessar a ponte Sublicio, andar um pouco e subir a colina. Outra hipótese é subir pelo lado oposto, perto do Circo Massimo.

 

P_20180624_143840_vHDR_On

P_20180624_143847_vHDR_On

 

 

O Aventino é um dos lugares mais calmos da cidade, uma zona residencial elegante com várias vivendas e edifícios. 

 

É aqui que encontramos a Villa del Priorato di Malta, ligada à Ordem Soberana e Militar de Malta. Quando chegámos à pequena praça onde fica o edifício estava lá cerca de uma dezena e meia de pessoas numa fila à porta do mesmo (porta essa que estava fechada) e três ou quatro miúdos entretidos com uma bola de futebol, desinteressados naquilo que os adultos estavam a fazer.

 

A razão para a fila à porta é que se espreitarmos através da fechadura podemos ver muito nitidamente, e perfeitamente enquadrada, a cúpula da Basílica de S. Pedro no Vaticano. Não se sabe se a fechadura ficou neste exacto lugar deliberadamente ou se é uma coincidência.

 

Também nos pusemos na fila e quando chegou a nossa vez percebemos que aquela não era a melhor altura para satisfazer a curiosidade porque a única coisa que se via era um camião estacionado...

 

 

P1070016

 

 

Aproveitámos então para explorar o resto da área. Existem aqui duas basílicas: a Basilica dei Santi Bonifacio e Alessio, e um pouco mais à frente a Basilica di Santa Sabina all'Aventino. Na altura estavam alguns artistas, principalmente pintores, a vender as suas obras num pequeno jardim que fica no exterior da primeira. 

 

 

P_20180624_151348_vHDR_On

P_20180624_150717_vHDR_On

 

 

Ao lado da Basilica di Santa Sabina all'Aventino há um outro jardim, o Giardino degli Aranci (jardim das laranjas).

 

As laranjeiras parecem encolher perto dos esguios e longos pinheiros-mansos - tão abundantes nesta cidade - que se elevam para os céus e estão distribuídos ao longo de um corredor que se estende até um miradouro.

Ao longe consegue-se vislumbrar a Basílica de S. Pedro. Ouve-se o som de um violino e de pessoas a falarem várias línguas, algumas sentadas nos bancos e outras deitadas na relva à sombra. É um daqueles momentos a que me quero agarrar, esticar ao máximo e viver nele para além do que é possível.    

 

P_20180624_154359_vHDR_On

P_20180624_153926_vHDR_On

P_20180624_153943_vHDR_On

 

P1070022

P_20180624_153324_vHDR_On

P_20180624_153234_vHDR_On

P_20180624_153608_vHDR_On

 

 

 

Depois disso fomos novamente tentar a nossa sorte à porta da Villa. Desta vez sim, a cúpula deu o ar de sua graça.

É engraçado pensar que no momento em que estamos a ver aquela imagem se juntam Itália, Malta e o Vaticano.

 

 

P_20180624_150258_vHDR_On

 

 

P1070018

 

 

 

O monte Pincio fica perto do centro histórico e o miradouro é acessível pela Piazza del Popolo, ou subindo as escadas da Piazza di Spagna. Daqui também se vê o Vaticano e as inúmeras cúpulas e campanários que se erguem na paisagem romana.

 

Há ainda um parque nesta zona, o Villa Borghese, com diversos edifícios e museus. 

 

P1060906

P1060908

P1060911

P1060919

P1060923

P1060927

P1060928

P1060932

 

 

Gosto muito de miradouros, estejam eles numa terrinha no meio de nenhures ou naquela que é conhecida como a "capital do mundo". Gosto de poder ver de maneira mais abrangente tudo aquilo que a vista pode alcançar e em Roma ela alcança uma imensidão que se estende por séculos de História.   

 

 

Anteriormente:

O regresso à cidade eterna e a casa emprestada

 

7 comentários

Comentar post